Início Diabetes Açúcar para Diabéticos – Qual o Melhor para a Sua Saúde

Açúcar para Diabéticos – Qual o Melhor para a Sua Saúde

431
0
COMPARTILHE

O açúcar é considerado hoje um dos maiores inimigos  da saúde humana. Com os inúmeros estímulos à ingestão de produtos industrializados por todo o mundo, a diabetes também se tornou um mal que cresce  a cada dia mais. Felizmente existem opções saudáveis de açúcar para diabéticos, porém, vale lembrar, que toda a ingestão de alimentos que possa alterar os níveis de glicose no sangue deve ser controlada. Tanto por quem possui diabetes quanto por quem não a possui.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) divulgou dados informando que o consumo médio de açúcar na população mundial está em torno de 10% das calorias diárias. Isso é muito, considerando-se que a taxa média ideal do consumo de açúcar é de 5% das calorias diárias recomendadas (um ser humano deve consumir cerca de 2 mil calorias por dia). Ou seja, consumir no máximo 25 gramas de açúcar por dia, o que equivale a seis colheres de chá.

O consumo médio de açúcar em muitos países (incluindo o Brasil) é hoje de 150 gramas por dia. Um índice considerado altíssimo e que causa alguns dos maiores problemas de saúde existentes atualmente, como a obesidade, problemas hepáticos, câncer, complicações cardiovasculares e diabetes.

O açúcar apresenta baixo valor nutricional e alto valor calórico, sendo um alimento livre de vitaminas e minerais. Pessoas com sobrepeso ou obesidade costumam consumir grandes quantidades e, por isso,  apresentarem um déficit nutricional. Por isso se faz necessário uma seleção minuciosa de açúcar para diabéticos, já que, além de ajudar a controlar a glicemia, alguns desses açúcares possuem boas propriedades nutricionais.

Opções de Açúcar para Diabéticos e Não Diabéticos

Açúcar Mascavo

O açúcar mascavo é muito falado como uma opção de menor impacto para os diabéticos, mas deve ser consumido de forma moderada porque também eleva os índices de glicemia no sangue. Apesar de ser mais natural e não passar pelo mesmo processo de refinação do que o açúcar comum, ajudando a manter seus nutrientes, o açúcar mascavo também fornece grande quantidade de calorias, por isso não é considerado o melhor açúcar para diabéticos.

Aspartame

O aspartame é um adoçantes bastante utilizado por diabéticos ou em ditas de emagrecimento. No entanto, seu consumo excessivo pode trazer problemas à quem possui uma doença genética chama fenoltucenúra. Além de outros efeitos colaterais como dores de cabeça, náuseas, Alzheime, diabetes e câncer.

Seu consumo médio indicado é de 40 mg/ kg de peso. Ou seja, isso dá uma média de 65 gotas de adoçante por dia. Mas vale lembrar que estamos levando em conta demais alimentos em que o açúcar seria substituído por aspartame. Essa, portanto, não é uma das melhores opções de açúcar para diabéticos.

Sacarina

Ainda é encontrada como opção mas, devido alguns recentes estudos, a sacarina é um adoçante que causa alterações na flora intestinal e altera os níveis de glicose no sangue, podendo causar o desenvolvimento da diabetes e o agravamento da doença nos indivíduos que a possuem.

Acessulfame de potássio​

Também conhecido com Ace K, o acessulfame de potássio​ é um adoçante artificial 200 vezes mais doce que o açúcar refinado. Uma das funções é estimular os receptores do sabor adocicado nas papilas gustativas. Esse ativo é eliminado do corpo pela urina. Mas não é recomendado à pessoas com dietas restritivas de potássio ou alérgicas à sulfa (que também está presente em alguns medicamentos). Sua ingestão diária indicada é de 15 mg/ kg de peso corporal.

Sucralose

Muito comum em bebidas e comidas dietéticas, a sucralose​ chega a ser até 800 vezes mais doce do que o açúcar refinado.  É um produto muito usado na produção de chicletes, gelatinas e produtos de padaria. Sua ingestão diária recomendada é de 5 mg/ kg do peso corporal.

Stevia

Um dos adoçantes naturais mais recomendados seria o stevia. Ele é extraído da folha de stevia rebaudiana, e pode adoçar até 400 vezes mais do que o açúcar comum. Mesmo com um discreto sabor amargo o stevia não possui calorias. Isso o torna ideal nas dietas para perda de peso uma boa opção de açúcar para diabéticos, desde que consumido moderadamente. Seu consumo indicado é de 4 mg/ kg do peso corporal.

Ciclamato

Sendo um dos primeiros adoçantes descobertos, o ciclamato passou por suspeitas de que poderia causar câncer. Muitos países da Ásia e da Europa fomentaram diversos estudos para analisar se esse tipo de açúcar poderia causar alguma alteração no organismo e produzir células cancerígenas. Felizmente nenhum desses estudos encontrou qualquer alteração causada pelo ciclamato, tornando-o apto para o uso diário. Esse adoçante tem o poder de dulçor 30 vezes maior do que o açúcar comum. É indicado o consumo de 11 mg/ kg do peso corporal diariamente.

Fonte: extra.globo.com

Açúcar para Diabéticos x Adoçantes

O uso excessivo de adoçantes artificiais também contribui para a mudança no metabolismo das células. Isso resulta à intolerância à glicose. Ficar atento às taxas glicêmicas dos alimentos é de vital importância ao diabético. O consumo de produtos dietéticos e açúcares especiais não significa que se esteja consumindo um alimento nutritivo. O refrigerante é o melhor exemplo disso: possui na sua composição comum algum xarope ou glucose de milho. Mas as versões diet também contém corante, conservantes e adoçantes artificiais. Por isso é um alimento de baixo valor nutricional. Pode acarretar em problemas gástricos, dentários e renais a longo prazo e se consumido em grande escala.

O consumo consciente é um desafio diário ao diabéticos, mas que pode ser manejado com o auxílio das devidas ferramentas. Infelizmente o alimentos que possuem açúcar para diabéticos são mais caros que os comuns. Sendo que as pessoas de baixa renda têm dificuldade de acesso aos produtos. Por isso sempre busque alternativas. Procure um nutricionista para melhor te guiar pela sua lista de compras. Com isso pode fazer as melhores escolhas possíveis sem sacrificar seu orçamento ou sua glicemia.